Retina e Vítreo

Moscas e volantes

Muitas pessoas enxergam pequenos pontos, manchas, fios ou teias de aranha que se movem na frente de um ou de ambos os olhos. São chamadas de moscas volantes e são percebidas mais facilmente em ambientes claros.

A substância gelatinosa (vítreo) que preenche o fundo de nossos olhos é totalmente transparente quando nascemos. Com o processo natural de envelhecimento perde a transparência em alguns pontos.

Aparecem com mais freqüência em pessoas com miopia, que foram submetidas a cirurgia de catarata e que tiveram inflamação dentro do olho.

As moscas volantes devido ao envelhecimento do vítreo não necessitam de tratamento. Com o passar do tempo elas geralmente aparecem menos e se tornam menos irritantes.

Algumas moscas volantes podem ser sintomas de problemas graves, como por exemplo, o descolamento de retina. A única forma de se descartar um problema como esse é sendo examinado por um oftalmologista.

 

Descolamento da retina

No fundo de nossos olhos existe uma fina camada chamada retina que responde pela formação da imagem e envio para o cérebro que transformará em visão.

Na frente da retina e em contato com ela existe uma substância gelatinosa chamada vítreo que com o processo natural de envelhecimento se solta da retina (esse processo se chama descolamento do vítreo).

No descolamento do vítreo, em alguns casos, pode ocorrer a formação de rasgos na retina em virtude de existir áreas de forte adesão entre eles. Com o surgimento de um ou mais rasgos na retina, o vítreo pode entrar pelo rasgo e caminhar por trás da retina soltando-a (esse processo se chama descolamento de retina).

Quando ocorre o descolamento de retina a pessoa pode perceber uma sombra em seu campo de visão que tende a ir aumentando de tamanho com o passar do tempo. Sua visão pode ser parcialmente ou totalmente comprometida dependendo do quanto sua retina foi comprometida.

O diagnóstico só é possível através do exame de um oftalmologista.

Os rasgos na retina quando diagnosticados são tratados com laser e evitam o descolamento de retina. Quando já existir o descolamento de retina o tratamento é cirúrgico.

Degeneração macular relacionada à idade

No fundo dos olhos existe uma fina camada chamada retina que reponde pela formação da imagem e envio para o cérebro que transformará em visão. O centro da retina chama-se mácula e é responsável pela visão de detalhes.

A degeneração macular ocorre, na maioria dos casos, em pessoas com idade superior aos 50 anos. É uma doença degenerativa da retina que afeta a mácula e, portanto, causa perda progressiva da visão central. Existem dois tipos de degeneração macular relacionada à idade: forma seca e forma úmida.

A forma seca ocorre na maioria dos casos de degeneração macular relacionada à idade e normalmente não causa perda total da visão central. Pode causar desde pequenas alterações na visão como pode com o passar do tempo dificultar algumas tarefas que exigem visão perfeita.

A forma úmida ocorre na minoria dos casos de degeneração macular relacionada à idade (cerca de 10%). Na forma úmida vasos sanguíneos anormais crescem na região da mácula. Sua evolução pode ser rápida e causar perda da visão central.

O tratamento da forma seca é feito com uma combinação de vitaminas e minerais. Na forma exsudativa realiza-se o tratamento com aplicações de medicamentos no vítreo (substância gelatinosa que preenche nosso fundo do olho e que fica na frente da retina).

Retinopatia diabética

A retinopatia diabética é a complicação causada pelo diabetes no olho. No fundo de nossos olhos existe uma fina camada chamada retina que responde pela formação da imagem e envio para o cérebro que transformará em visão. A retina é formada por muitos vasos sanguíneos que com o tempo podem ser afetados pelo diabetes causando hemorragias dentro do olho.

No início o diabético pode não perceber alterações na sua visão mesmo já tendo hemorragias na retina (retinopatia diabética). Por esse motivo é importante o diabético fazer exame de mapeamento de retina (também conhecido como exame de fundo de olho), periodicamente, com um oftalmologista. O diagnóstico precoce das hemorragias pode evitar complicações maiores no futuro.

O tratamento inicialmente pode ser apenas acompanhamento, como pode ser necessária a aplicação de laser para tentar estacionar a retinopatia diabética. Em casos mais graves pode ser necessário cirurgia.

Como a retinopatia diabética é uma complicação causada pelo diabetes, é importante durante e após o tratamento manter a doença bem controlada.